Boletim -304
Março de 2018
A hora e a vez da presunção de inocência

Desde 5 de outubro de 1988, a Carta Política garante que ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória (art. 5º, inciso LVII). Por mais de vinte anos após a promulgação da Constituição da República, prevalecia na jurisprudência brasileira a ideia de que a presunção constitucional de inocência vedaria o lançamento do réu no rol dos culpados, mas não impediria a execução penal provisória da sentença condenatória sujeita a recursos despidos de efeito suspensivo.

Data: 13/04/2020
Autor: Ibccrim

Desde 5 de outubro de 1988, a Carta Política garante que ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória (art. 5º, inciso LVII). Por mais de vinte anos após a promulgação da Constituição da República, prevalecia na jurisprudência brasileira a ideia de que a presunção constitucional de inocência vedaria o lançamento do réu no rol dos culpados, mas não impediria a execução penal provisória da sentença condenatória sujeita a recursos despidos de efeito suspensivo.

A despeito da clareza cristalina do texto constitucional, somente em 2009 a Suprema Corte passou a sufragar o entendimento de que a execução da sanção penal só pode ser levada a cabo após o esgotamento das possibilidades de modificação do veredito condenatório. A mudança de orientação assentou-se na ideia de que a prisão antes do trânsito em julgado da condenação somente pode ser decretada a título cautelar (HC 84.078 e 83.868), o que, de resto, deflui da literalidade do texto constitucional. É bem verdade que, em 2011, o então presidente da Corte Suprema, Cesar Peluzo, a partir da avaliação de que “a causa principal dos atrasos dos processos no Brasil é a multiplicidade de recursos” (e não o mau funcionamento do sistema de justiça), apresentou proposta de emenda à Constituição, para autorizar a imediata execução das decisões judiciais, logo após o pronunciamento dos tribunais de segunda instância.(1) Em 2016, o Pretório Excelso retrocedeu à interpretação anterior a 2009, para consagrar a tese de que a “execução provisória de acórdão penal condenatório proferido em grau de apelação, ainda que sujeito a recurso especial ou extraordinário, não compromete o princípio constitucional da presunção de inocência” (HC 126292).

A fundamentação dos votos vencedores foi bastante diversificada, dissociando o conceito de presunção de inocência da literalidade de seus parâmetros constitucionais: esgotada a discussão acerca de fatos e provas após o duplo grau, não haveria justificativa para manutenção, enquanto pendente o julgamento de recursos extraordinários, das limitações impostas pelo princípio da presunção de inocência; o núcleo essencial do direito fundamental à presunção de inocência consistiria em impor o ônus da prova do crime à acusação, não condicionando a execução da pena ao trânsito em julgado; a culpabilidade dependeria da qualidade de imutabilidade da condenação, não a execução da sanção; a interpretação constitucional deve encontrar ressonância no meio social, sob pena de tornar-se disfuncional; a mudança de entendimento obstaria a interposição de recursos protelatórios, valorizando a jurisdição criminal ordinária, tornando mais igualitário o sistema punitivo e quebrando o paradigma da impunidade, entre outros argumentos. A nova posição do STF foi saudada como um grande avanço civilizatório, um freio necessário às excessivas garantias próprias de um sistema jurídico obsoleto e ineficaz, na esteira da lamentável jurisprudência regressiva dos tribunais superiores, que vem restringindo o manejo do habeas corpus. Mais que isso, a possibilidade de execução provisória da pena seria a única opção compatível com o combate eficiente à criminalidade, em especial no que diz respeito aos delitos de colarinho branco. Não por acaso, entre as famigeradas “10 medidas do MPF contra a corrupção”, uma delas propõe a inclusão de um parágrafo único ao art. 96 da Constituição Federal, para que dele conste que “ao proferirem julgamento de mérito em matéria penal, os tribunais de apelação autorizarão, a pedido do Ministério Público, a execução provisória da decisão penal condenatória, para todos os fins, ainda que na pendência de recurso extraordinário ou recurso especial”. É bem verdade que a própria Suprema Corte, por intermédio de decisões monocráticas de alguns de seus Ministros (inclusive de quem formou a maioria), passou a conceder liminares impedindo a execução provisória da pena em nome da tutela da presunção constitucional de inocência. Coerência parece não ser uma qualidade do STF, ao menos nos dias de hoje: a mudança a respeito da execução provisória da pena ocorreu logo após o plenário da mais alta corte do país declarar o sistema penitenciário brasileiro, onde cada vaga é ocupada por duas pessoas,(2) um “estado de coisas inconstitucional”, caracterizado pela sistemática violação de direitos fundamentais em decorrência de deliberada omissão estatal (ADPF 347 MC). O quadro de encarceramento em massa, no qual o Brasil ostenta a terceira maior população carcerária do planeta, com aproximadamente 750 mil presos, sendo 40% provisórios, com viés de alta, não foi levado em conta.

A cegueira hermenêutica deliberada, que encarcera e condena usuários de drogas como se traficantes fossem, também foi ignorada. A recusa reiterada dos tribunais estaduais em afastar a incidência da hediondez nos casos de tráfico privilegiado, a despeito da orientação remansosa nesse sentido da própria Corte Suprema e do STJ (que cancelou súmula em sentido contrário para harmonizar seu entendimento ao do STF), foi, igualmente, desconsiderada, como se nada disso tivesse a ver com o disfuncional exercício da atividade jurisdicional.

Cumpre relembrar ao Judiciário a sua missão de garante da intangibilidade dos direitos fundamentais, mesmo e especialmente quando a maioria política se une para atacá-los. Nas palavras do magistrado paulista Marcelo Semer, “quando um juiz ouve a voz das ruas e silencia a da Constituição, ele destrói o Estado de Direito”. O respeito à Constituição engrandece a democracia e suas instituições.


Notas de rodapé

Notas

(1) “PEC dos Recursos” é apresentada pelo presidente do STF e estará no III Pacto Republicano”, 21.3.11. Disponível em: . Acesso em: 16 fev. 2018. (2) Entre 2000 e 2016, a população prisional cresceu, em média, 7,3% ao ano, passando de 232 mil pessoas em 2000 para 726 mil pessoas privadas de liberdade em 2016, existindo um déficit de aproximadamente 360 mil vagas (Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias Atualização - Junho de 2016, p. 20. Disponível em: . Acesso em: 16 fev. 2018.

Conteúdo apenas para associados
Conteúdo apenas para associados
Conteúdo apenas para associados
Conteúdo apenas para associados
Conteúdo apenas para associados
Conteúdo apenas para associados
Conteúdo apenas para associados
Conteúdo apenas para associados
Conteúdo apenas para associados
Conteúdo apenas para associados
Conteúdo apenas para associados
Conteúdo apenas para associados
Conteúdo apenas para associados
Conteúdo apenas para associados